Visite a nossa pagina no facebook e confira videos e fotos dos principais momentos da cidade/ Uma em cada 10 pessoas pode ter contraído covid-19, aponta OMS/ Outubro Rosa: Sesap alerta para prevenção do câncer de mama e colo do útero/ TSE quer rebater notícias falsas via redes sociais durante eleições/ Bolsonaro sanciona lei que prevê até 5 anos de prisão para quem maltratar cães e gatos/
Destaques
SEJA NOSSO APOIADOR, CONTRIBUA COM O NOSSO TRABALHO.
recent

Número de casos de Aids cresce 81,7% no RN

Os dados do boletim epidemiológico do Ministério da Saúde apontam que o número de detecção de casos da Aids no Rio Grande do Norte cresceu 81,7% entre 2008 e 2018. O RN está no 10º lugar entre todos os estados brasileiros.

O levantamento, divulgado no começo de dezembro deste ano, mostra ainda que foram 20,9 detecções a cada 100 mil habitantes no ano passado. Em 2008 este índice era de 11,5 casos. De acordo com Igor Thiago, médico infectologista do Hapvida Saúde, são vários os fatores envolvidos no aumento de detecção de casos no estado.

‘‘É preciso deixar o preconceito de lado para não negligenciar a saúde e a qualidade de vida e buscar conhecimento sobre todas as dúvidas. A maior parte dos casos é pela transmissão via sexual e a falta de informação vai de encontro com esses quadros’’, ressalta.

Uma das incertezas é ainda a diferença entre HIV e Aids que podem ser confundidas pelas pessoas com outras enfermidades. ‘‘O HIV é o vírus que atinge as células do sistema imunológico, enquanto a Aids é a manifestação da doença após a evolução deste vírus. Portanto, nem todos os infectados pelo HIV desenvolvem Aids’’, esclarece o infectologista.

Segundo o especialista, os exames devem ser realizados para detectar o vírus mesmo que não haja suspeita de contaminação. ‘‘O tratamento é feito com um coquetel de medicamentos antirretrovirais, que atacam o vírus e provocam o aumento da quantidade e da qualidade das células de defesa do paciente”, explica Igor Thiago.

Os métodos de prevenção e recuperação são significativos para o aumento da imunidade e qualidade de vida da população. Além também da recomendação a testagem aos pacientes, independente de gênero, orientação sexual, comportamento ou contextos de maior vulnerabilidade.

Levantamento aponta que foram 20,9 detecções a cada 100 mil habitantes em 2018.
COMPARTILHE:
Twitter: @Leitura_M

Twitter: @Leitura_M

Tecnologia do Blogger.