TSE libera ferramenta para consulta de candidaturas/ Serasa oferece até 50% de desconto em renegociação de dívidas/ STF declara inconstitucional a impressão do voto pela urna eletrônica/ Eleitor sem máscara não poderá acessar o local de votação diz TSE/ Anuncie em nosso site e aumente suas vendas, chama no chat e veja como solicitar
Destaques
SEJA NOSSO APOIADOR, CONTRIBUA COM O NOSSO TRABALHO.
recent

Depois da reunião que ocorreu nesta quinta-feira com Bolsonaro e os presidentes do legislativo e governadores, Fátima diz que "Divergências foram deixadas de lado"

A governadora Fátima Bezerra (PT) afirmou que “as divergências foram deixadas de lado” na reunião virtual com o presidente Jair Bolsonaro, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ); o presidente do Senado, Davi Alcolumbre e os governadores nesta quinta-feira (21).


Bolsonaro se reuniu com os chefes do Legislativo e dos Executivos estaduais para sancionar o projeto que concede auxílio emergencial a estados e municípios para combater a crise fiscal e sanitária do novo coronavírus.

“A reunião entre nós, governadores do Brasil, e o presidente da República acabou há pouco, num clima institucional respeitoso. As divergências foram deixadas de lado para que pudéssemos focar na união de todos em defesa da saúde do povo brasileiro e na superação da crise”, escreveu Fátima em uma rede social.

A governadora afirmou ainda que “esse aporte federativo, na verdade, é um dever do Governo Federal para ajudar estados e municípios a cumprirem as tantas obrigações básicas junto à população”.

A reunião também discutiu o veto integral da presidência ao projeto de reajuste dos servidores. Sobre esse assunto, Fátima disse que não há consenso entre os governadores e que ela é contrária à medida.

“Não porque não reconheça as dificuldades concretas que enfrentamos, mas porque considero uma interferência da União nos estados e municípios”, explica.

O Projeto de Lei Complementar (PLC) 39/20, que foi aprovado no dia 6 de maio, garante auxílio financeiro de até R$ 125 bilhões a estados, municípios e ao Distrito Federal para o combate ao novo coronavírus, e tem como contrapartida medidas de controle de gastos, como a suspensão do reajuste.

Além dos profissionais de saúde e segurança pública e das Forças Armadas, os parlamentares excluíram do congelamento trabalhadores da educação pública, servidores de carreiras periciais, das Polícias Federal e Rodoviária Federal, guardas municipais, agentes socioeducativos, profissionais de limpeza urbana, de serviços funerários e de assistência social.

COMPARTILHE:
Twitter: @Leitura_M

Twitter: @Leitura_M

Tecnologia do Blogger.